Eu sou a "mina" padrão

4.4.16

Olá, antenadas!

Hoje venho aqui para admitir para todos que aqui passarem o olho que eu sou a "mina" padrão!! Sou o tipo de mulher bem padrão, aquela que é alta, veste 38, pele clara e cabelo liso, também tenho lipodistrofia (a famosa celulite), culotes que desejaria arrancar, mas só resta esconder com a roupa ideal, corpo flácido que te faz passar vergonha ao correr em público apenas de biquíni, corcunda, com ombros largos, quadril largo que não pode ser exposto a poses relaxadas para não mostrar o culote sem vergonha, um pé tamanho 40 com dedão menor que os demais dedos, um busto quase sem seio que é apertado por um bojo diariamente, na esperança de preencher o vazio na blusa, manchas brancas espalhadas pelo corpo que me fizeram parar de ir à  praia e de usar roupas que as deixe muito expostas, a mina dos braços gordos que odeia mostrá-los, cotovelos e joelhos escuros que não clareiam nem com o melhor creme do mundo, uma mandíbula visivelmente irregular que me faz evitar fotos de frente e a esconder com o cabelo aquilo que parece imperfeito... Eu sou essa mulher padrão, igual a todas as outras que jamais estão satisfeitas com seus corpos, que se sentem menos bonitas ao serem iludidas com uma perfeição estampada em uma capa de revista e montada em um computador, sou o padrão de mulher que encara diariamente a tarefa de sentir-se bem enquanto outros descrevem o corpo magro, definido, com pele lisinha, sem marcas ou qualquer defeito como o mais belo, sou mais uma mina padrão sendo julgada por algumas características que me fazem ser "aceita" e vista como "padrão" enquanto luto para esconder aquilo que a sociedade não quer ver e ser vir, te exclui. Além do padrão de beleza, que sabemos que é só mais um em meio a tantos padrões criados pela sociedade, eu também sou a "mina" padrão criada apenas pela mãe, que não vai à igreja, que não sonha em casar e nem em ser uma princesa, sou a "mina" padrão que fala palavrão e que não faz questão de ser fofa, sento de perna aberta e bebo até cair quando estou afim e que já beijou vários em uma única noite, aquela "mina" padrão que manda os homens tomarem no "cu" se faltar respeito, que chega de manhã em casa após uma festa babado, que não fala com o pai por ter sido esquecida por ele em diversas ocasiões importantes de sua vida, a "mina" padrão que mora na casa dos pais do namorado sem nem ao menos usarem aliança, a "mina" que é a favor da legalização do abordo e da constituição familiar homoafetiva, sou a "mina" padrão que a sociedade espera, ein?


Antes de falar que eu não tenho o direito de lutar contra padrões, lembre-se que ninguém é perfeito e que beleza é relativo, os olhos muitas vezes mentem e seu dedo apontado pra mim não irá apagar as imperfeições de meu corpo, enquanto eu puder lutar por uma sociedade que aceite as diversidades, eu irei. Não faz parte da minha natureza excluir alguém por suas características e não, não irei aceitar que façam isso comigo, não irei aceitar que me digam que não tenho direito de brigar por algo que acredito por me acharem "dentro dos padrões" enquanto sou mais uma que esconde os defeitos para ser aceita e luta para quebrar todo e qualquer preconceito por seu próprio corpo.

No fim, eu tento ao máximo valorizar o que tenho de "bonito", chego a sentir vergonha por escolher os melhores ângulos afim de esconder aquilo que seria motivo de julgamento para os mente fechada, não é fácil me libertar, não é fácil ouvir "nossa, você tá ficando cheia de celulite, tá engordando, tá magra demais, esconde esse culote" e ainda assim, me achar bonita e sim, muitas vezes, quase sempre, escondo todos esses defeitos afim de ser a "mina padrão"...
Mas a "mina" padrão é só mais uma tentando ser aceita e ter voz e jamais querendo protagonizar ou apagar a luta de quem é gorda, negra, magra demais, pois não sofro nem sou excluída como algumas são, estou apenas buscando um espaço e tentando ajudar outras a aceitarem que quebra de padrões pode libertar todas nós e, apesar de saber que sou uma das menos julgadas, que meus "defeitos" não me excluem por total, eu sei onde me encaixo e sei que minha luta é válida. 

E esse foi só um desabafo de uma mulher que quer se livrar dos padrões e acabou sendo vítima de julgamentos de pessoas que a acham padrão demais pra entrar nessa luta.

FOTOS: Carol Valesca



6 comentários:

  1. Ótima reflexão e o desabafo Karly.

    Ps.: As fotos ficaram lindas.

    ResponderExcluir
  2. Mas a senhorita é lacradora heim! Socorro!
    Ótima reflexão/desabafo, me vi em vários trechos de "mina padrão", tem sempre gente pronta pra apontar o dedo e apontar defeitos. Já teve um tempo que isso me afetava, hoje não me afeta mais, mas tem muita gente que fica mal e em depressão com isso, e somos nós, que já não nos importamos que precisamos ajudar essas! :D Amei o post Karly!


    Meninices da Vida

    ResponderExcluir
  3. ~~eu também sou a "mina" padrão criada apenas pela mãe, que não vai à igreja, que não sonha em casar e nem em ser uma princesa, sou a "mina" padrão que fala palavrão e que não faz questão de ser fofa, sento de perna aberta e bebo até cair quando estou afim e que já beijou vários em uma única noite, aquela "mina" padrão que manda os homens tomarem no "cu" se faltar respeito, que chega de manhã em casa após uma festa babado, que não fala com o pai por ter sido esquecida por ele em diversas ocasiões importantes de sua vida~~ Você está falando da Shay? Não...? Não. Esse seu texto é o orgulho de cada mina que é olhada pela sociedade como mina não legal... mina que não segue essa organização social imposta pelo patriarcado e banhada de machismo.
    Cada uma das garotas deveriam brindar em suas casas por serem a garota que não acha que é nem para casar e nem para pegar, mas sim que acha que é ela e PRONTO!
    Somos lindas, então que nos encaremos como lindas! <3
    2bj,rs
    http://eunaoqueroir.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz em ter atingido alguém que se identificou <3

      Excluir

Gostou?
Deixe aqui sua opinião, é muito importante pra mim receber esse feedback <3
Mas lembre-se, ofensas nunca são bem vindas, seja legal, o bem sempre volta.